Pontes e viadutos que imitam a natureza podem ser indestrutíveis

A professora Wanda Lewis, da Universidade de Warwick, no Reino Unido, levou ao próximo nível um processo de design inspirado no mundo natural.

Um nível que promete nada menos que uma nova geração de pontes, viadutos e outras estruturas virtualmente indestrutíveis.

O processo de design é conhecido como “busca pela forma”, ou “geração de forma” (form-finding). Ele permite a concepção de estruturas rígidas que seguem uma forma natural, ou seja, estruturas que são sustentadas por uma força pura de compressão ou tensão, sem tensões de flexão, que são os principais pontos de fraqueza nas estruturas feitas pelo homem.

Essa técnica poderá, pela primeira vez, viabilizar o projeto de pontes e edifícios que arquem com qualquer combinação de carga permanente sem gerar tensões complexas, o que lhes daria maior segurança e maior durabilidade.

Pontes e viadutos indestrutíveis devem imitar a natureza

Estruturas projetadas pela natureza

A estrutura de uma árvore ou mesmo de uma folha, a curvatura de uma concha, a forma como um filme de sabão se sustenta em grandes vãos, são todos exemplos de projetos naturais de grande eficiência e resistência.

A professora Lewis desenvolveu agora modelos matemáticos que analisam esses princípios da natureza e geram padrões de estresse simples para cada estrutura. Os princípios que sustentam os modelos matemáticos são ilustrados usando experimentos de “geração de forma” que envolvem peças de tecido ou correntes.

Um pedaço de tecido, por exemplo, é suspenso e então relaxa na sua forma natural de energia mínima, puxado apenas pela gravidade. Em seguida, sua forma final é congelada em um objeto rígido, e então invertido. Isto produz uma forma natural – gerada unicamente pela ação da gravidade – que pode suportar cargas com grande eficiência.

Estética arquitetônica

Talvez não saia ao gosto dos olhos dos arquitetos, mas as formas resultantes têm uma resistência que não encontra equivalentes nos conceitos de engenharia convencionais.

“A estética é um aspecto importante de qualquer projeto, e nós fomos programados para ver algumas formas, como arcos circulares ou cúpulas esféricas, como estéticas. Nós frequentemente as construímos independentemente do fato de que elas geram tensões complexas, e são, portanto, estruturalmente ineficientes,” defende Lewis.

 

Fonte:

Inovação Tecnológica

Reino Unido cria blocos de alvenaria vivos capazes de produzir energia e purificar água

A Universidade do Oeste de Inglaterra (UWE Bristol) desenvolveu um novo tipo de blocos para construção em alvenaria, capazes de produzir energia e reciclar águas residuais, entre outras funcionalidades.

O estudo para essa nova tecnologia insere-se no projeto europeu Arquitetura Viva (“Living Architecture” – LIAR), liderado pela Universidade de Newcastle, que visa criar laços de trabalho entre a engenharia civil, a arquitetura e as ciências da computação, objetivando lidar com os problemas globais de sustentabilidade.

Reino Unido cria blocos de alvenaria vivos capazes de produzir energia e purificar água

Os novos blocos inteligentes de alvenaria são produzidos com materiais bio reativos, constituídos por células microbiais e algas. Esses materiais, denominados Células Microbiais de Combustível – MFC – contêm uma estirpe de microrganismos especificamente escolhida pela sua capacidade conjunta de purificação de fluidos, recuperação de fosfatos e geração de eletricidade.

As MFC constituintes dos reatores vivos existentes nas paredes de alvenaria têm a capacidade de detectar as características do ambiente ao seu redor e, assim, responder, através de um conjunto de mecanismos coordenados digitalmente, à variação dos mais diferentes parâmetros.

Os edifícios construídos com estes biorreatores serão verdadeiros organismos vivos de grande escala, dirigidos à satisfação das necessidades energéticas e ambientais dos seus ocupantes.

Integrados no Projeto LIAR, financiado em 3,2 milhões de euros pelo Programa de Inovação Horizonte 2020 da União Europeia, estão também a Universidade de Trento, a Universidade de Florença, o Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), o Liquifer Systems Group e a Explora.

 

Fonte:

Engenharia Civil

Aprendendo a Estudar

Estudantes de engenharia gastam muito do seu tempo estudando e, muitas vezes, não conseguem estudar toda a matéria. Além disso, a maioria deles, acabam estudando somente para ser aprovado nas cadeiras e pouco tempo antes das provas, logo após a realização esquecem boa parte do que estudaram. Esse problema é pertinente em quase todos os cursos e níveis de ensino, erros que estão enraizados na educação brasileira. Felizmente, essa situação pode ser mudada.

            O conteúdo dessa matéria é baseado no livro “Aprendendo Inteligência” do autor e professor Pierluigi Piazzi, mais conhecido como professor Pier. Ele foi professor de pré-vestibular, no qual preparou mais de 100 mil alunos. Visitou centenas de escolas ensinando como vários erros educacionais podem ser evitados.

dgsgsrrr

            O primeiro passo para se mudar essa situação é entender: Por que você estuda? Se a resposta for: ” Para tirar boas notas, passar de ano e conseguir um diploma”, então o seu objetivo está totalmente equivocado. Empresas não querem pessoas com diplomas, elas querem candidatos mais inteligentes e criativos, que conseguem realizar metas. Estudo não é questão de quantidade: é questão de qualidade!

            Mudando o pensamento do primeiro passo, pode-se entender o segundo. Um dos maiores erros encontrados nos estudantes é que eles estudam no momento errado. Esse problema é induzido desde a infância. Pais, escolas e professores sempre passam a idéia que as crianças devem estudar para conseguirem boas notas, ou seja, elas nunca estudam para aprender. Estudando para provas e com pouco tempo de antecedência, conseguem o seu objetivo e tiram boas notas, mas não aprendem.

            Para que se entenda e se consiga mudar essas crenças, deve-se saber que temos algumas regiões do cérebro que são responsáveis pela memória, as mais importantes são: o hipocampo (memória de curto prazo) e o córtex (memória de longo prazo). A memória do hipocampo são provisórias, servem para decorarmos informações rápidas e pequenas, como um número de telefone. O córtex suporta uma quantidade gigantesca de dados, mas é muito difícil colocá-los nessa região, pois necessita-se da criação de uma sinapse neural, ou seja, uma mudança física no cérebro. Isso acontece de maneira mais fácil quando dormimos.

hgfhdsrsrrrrrr

            As informações que serão gravadas no córtex são aquelas que possuem uma carga emocional, com isso a maioria das informações recebidas no dia são esquecidas à noite. Infelizmente, as aulas são momentos muito tediosas, e quase nada que você assiste é armazenada no córtex. Você deve está se perguntando: “Como eu faço para não esquecer as aulas assistidas  hoje?” a resposta é simples: Estude pouco, mas todo dia! Quando o assunto da aula é estudada no mesmo dia, o assunto vira alvo de atenção e consequentemente ela possuirá uma carga emocional e será gravada no córtex. Então, para resolver os problemas supracitados, deve-se ter um lema: Aula assistida hoje é aula estudada hoje!

            Criando-se esses hábitos, percebendo que estudo não é questão de quantidade , mas questão de qualidade, como já citado anteriormente. Perceberá, em pouco tempo, que as informações e habilidades que você adquiriu estudando irão ficar para o resto da vida!

Autor:

Jean Lopes

Construindo a quarta maior ponte suspensa do mundo

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-09

A construtora turca Otoyol produziu um filme, em time-lapse, de todo o processo construtivo da Ponte Osman Gazi, desde o arranque das obras até à finalização da estrutura do tabuleiro. Localizada no Golfo de İzmit, na Turquia, esta obra de arte é a quarta mais longa ponte suspensa do mundo.

O filme da Otoyol acompanha o processo de execução das gigantescas fundações da ponte de aço, transporte e montagem das secções dos pilares principais e avanço do tabuleiro de suspensão, até à conclusão da construção da estrutura.

 

O empreendimento de 410 milhões de euros foi levado a cabo por um consórcio de seis grandes empresas construtoras turcas e italianas, tendo a execução sido concluída no final do mês passado.
A ponte encontra-se integrada num megaprojeto rodoviário de PPP, de 3400 milhões de euros, com 421 quilómetros de comprimento, que ligará Istanbul a Izmir. O projeto de estruturas teve autoria da consultora de engenharia dinamarquesa COWI A/S.

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-11

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-12

A ponte metálica, com fundações em betão armado, tem um comprimento total de 2682 metros e pilares com altura máxima de 234 metros. Possui um vão máximo de 1550 metros e um tabuleiro de uso rodoviário com 6 vias (3 em cada sentido) e largura de 36 metros.

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-06

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-04

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-05

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-14

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-15

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-16

construindo-quarta-maior-ponte-suspensa-mundo-17

 

Fontes:

Engenharia Civil

Construindo pavimentos de estradas com esterco de porco

pavimentos-estradas-esterco-porco-01

Uma equipa de investigadores da Universidade Estatal Agrícola Técnica da Califórnia do Norte (NCAT), com o apoio da Fundação Científica Nacional (NSF), está a estudar a possibilidade da utilização de dejetos de porco no fabrico de ligantes para pavimentos rodoviários.

As fezes de porco são vastamente utilizadas, na forma de estrume, no setor agrícola devido às suas excelentes propriedades adubantes.
O uso sistemático deste abundante subproduto da indústria pecuária pode, no entanto, levar à contaminação dos solos e águas subterrâneas, especialmente se o mesmo não for sujeito a tratamento adequado.

pavimentos-estradas-esterco-porco-07

Este resíduo, do qual são anualmente produzidos 160 mil milhões de litros a nível mundial, é também rico em óleos, muito similares ao petróleo, pelo que o seu uso como substituto, potencialmente mais sustentável, do betume poderá fazer sentido.

Os engenheiros da Universidade Estatal Agrícola Técnica da Califórnia do Norte conseguiram fabricar, através da destilação de óleos provenientes de fezes de porco, um ligante viscoso que pode ser utilizado na produção de misturas betuminosas. O processo revelou-se muito mais barato que o necessário para o fabrico de betumes correntes, custando apenas 56 cêntimos de dólar por galão (aprox. 3,79 litros). É também mais sustentável no que diz respeito aos gastos energéticos, uma vez que pode ser produzido a temperaturas inferiores às do betume.
pavimentos-estradas-esterco-porco-02

pavimentos-estradas-esterco-porco-04

O material está atualmente a ser testado nos laboratórios daquele instituto norte-americano, com resultados preliminares bastante promissores, tanto a nível de resistência e durabilidade, como de estabilidade mecânica.

Estes bons resultados levaram já ao avanço da criação da spin-off “Bio-Adhesive” para a comercialização de produtos para o setor da construção rodoviária e aeroportuária, fabricados com base no novo ligante ecológico.

Relativamente aos potenciais cheiros desagradáveis decorrentes do uso do material, os investigadores asseguram que os compostos que conferem o odor característico são filtrados e eliminados durante a produção.

pavimentos-estradas-esterco-porco-03

pavimentos-estradas-esterco-porco-05

Fontes:

Engenharia Civil

Planejamento de obras: uma ferramenta que produz grandes resultados

 

Planejar é o serviço de preparação de um trabalho, de uma tarefa, com o estabelecimento de métodos convenientes; planificação.

“A função do planejamento prévio é a de planejar os trabalhos da obra antes de seu início, de tal forma que sejam escolhidos os métodos construtivos e os  meios de produção mais adequados e estes sejam coordenados entre si, considerando- se todo quadro de condicionantes internos e externos à empresa. O objetivo deste planejamento é obter o maior rendimento possível com custos de execução os menores possíveis.”

          Assim, em tempos de crise, em um mercado no qual se busca, ao máximo, apresentar diferenciais competitivos por meio da otimização de processos e redução de custos, planejar tem se tornado ainda mais importante no contexto da construção civil.

        Toda atividade de produção complexa – execução de obras, inclusive – demanda certo grau de planejamento. Este planejamento pode ser realizado pela própria construtora que está executando a obra ou por meio da terceirização do serviço. Assim, tal atividade fica à cargo de um engenheiro civil denominado gerente de planejamento.

         Planejar obras é uma atividade relativamente complexa e requer um total domínio dos recursos e processos utilizados para a atividade. Por isso, o gerente de planejamento, no exercício de sua atividade, deve atentar para estabelecer com antecedência as ações, recursos, métodos e os meios necessários para a execução de um empreendimento.

    blams Em um contexto de alta complexidade, o gerente de planejamento deve ter visão sistêmica para antever todas as ações e possíveis problemas. É imprescindível que se tenha noção de todas as restrições de uma atividade, ou seja, o que pode vir a impedir o bom funcionamento desta. Estas restrições estão muito atreladas aos recursos necessários para a execução da atividade, dado que a falta de um recurso, por mínimo que seja, como um simples prego, pode vir a inviabilizar o acontecimento de uma atividade e prejudicar toda uma cadeia de processos.

Assim, o planejamento de uma obra pode ser dividido em:

  • Planejamento dos métodos de execução: Métodos construtivos, técnica empregada, custos;
  • Planejamento físico da obra: Cronograma detalhado;
  • Planejamento dos recursos operacionais e financeiros: Mão-de-obra, materiais, máquinas e equipamentos, em níveis físicos e financeiros;
  • Planejamento do canteiro de obras.

 

Para uma explanação mais profunda do conteúdo, retiraram-se e adaptaram-se textos da apostila de Cursos de Gestão e Gerenciamento de obras.

 

PASSOS DO PLANEJAMENTO:

1.  DEFINIÇÃO DO CRONOGRAMA FÍSICO

       Partindo-se sempre de uma hipótese (planejamento ideal), em que não existam limites de dotação orçamentária, o primeiro e mais importante passo é definir o prazo de execução da obra, propondo então um cronograma físico, raiz de todas as informações subsequentes.

Dentre os tipos de cronogramas físicos mais conhecidos, podemos citar:

  • Cronograma de Barras Horizontais (Gant);
  • Pert/CPM e/ou Project;
  • Cronograma de Barras Inclinadas (linha de balanço).

 

ABAAAesCYAA-2

 

2.  DEFINIÇÃO DO CRONOGRAMA FINANCEIRO

         Nasce em função de um cronograma físico e da disponibilidade financeira da empresa, para um empreendimento específico. Quando abordamos o tema  cronograma financeiro, devemos mostrar claramente a diferença entre Receitas e Despesas, porém ressaltamos a importância da análise sempre conjunta dos mesmos, no sentido de viabilizar economicamente o empreendimento.

O cronograma de receitas é determinado por algumas variáveis, tais como:

A – Valor da Obra (venda, ou contrato de empreitada);

B – Forma de Pagamento (prazo e reajuste);

C – Disponibilidade de Caixa da Empresa etc.

 

3.  CONTROLE DA RENDA

     Visa manter, sob estreita observação, o movimento financeiro do empreendimento, apurando a entrada de receitas e o desembolso, mês a mês. Este acompanhamento permite obter o equilíbrio financeiro desejado, mantendo uma velocidade de desembolso coerente com a entrada de receita, programando e executando um fluxo ideal.

     Um cronograma financeiro bem elaborado, se não for bem executado e controlado, ou seja, buscando variantes de fluxo, apropriando corretamente os custos, inclusive por tipo de custos, o prejuízo será certo. Atualmente as margens de lucro são extremamente pequenas, não permitindo incompetência, gastos desnecessários e fora de hora (Just in Time).

 

4.  DIMENSIONAMENTO DA EQUIPE

    Teremos uma previsão de equipe baseada no orçamento proposto. Já no segundo, a equipe dimensionada será o espelho da necessidade real da obra, desde que os índices de produção sejam confiáveis.

       A comparação entre os mesmos, nos permite corrigir as nossas composições, evitando-imagesse erros futuros, no cálculo da mão-de-obra e encargos dos orçamentos. Para tanto devemos ter claro o conceito de horas efetivas trabalhadas, que difere do conceito sindical de 220 horas mês, onde são incluídos descansos remunerados.

5.  CÁLCULOS DE TAREFAS

A tarefa é caracterizada, quando uma frente de serviço é designada, ou contratada, a um operário ou a uma equipe, por um preço global a ser pago pela mesma, quando do ser término. Neste preço devem estar inclusas as horas normais e extras trabalhadas, os descansos remunerados e os saldos de produção.

A sua aplicação visa estimular a produção pois, ao término de uma tarefa, o valor acertado estará garantido ao operário, independente do tempo gasto. O estímulo à produção deve estar sempre vinculado à manutenção da qualidade, um dos maiores riscos de perdas nesta modalidade de trabalho. Portanto, um dos parâmetros de recebimento de uma tarefa concluída é necessariamente a qualidade do serviço pronto, dentre outras, como por exemplo:

  • Terminalidade do serviço;
  • Retirada e guarda da sobra de material;
  • Limpeza e guarda de ferramentas/equipamentos;
  • Limpeza do local de trabalho;
  • Uso constante do equipamento de segurança, etc.

 

6.  ANÁLISE DO PLANEJAMENTO X ECECUTADO

          Esta etapa tem como objetivo o acompanhamento periódico (quinzenal ou mensal) do andamento do empreendimento, visando uma análise comparativa entre o planejado e executado.

         Esta análise, verifica a evolução tanto física quanto financeira da obra, nos fornecendo assim parâmetros reais em contrapartida ao previsto anteriormente.

 

6.1  MEDIÇÕES DA OBRA

Este procedimento nos informa o percentual de obra pronta, como um todo ou por tipo de frente de serviço, sempre em relação ao quantitativo orçado inicialmente. Aqui temos tanto a evolução do cronograma físico, como o desembolso financeiro acumulado, este medido em relação ao orçamento inicial (Po).

        A medição pode ser feita em percentual ou por quantitativos realizados, sendo que a segunda opção é mais precisa. A ferramenta ideal para as medições são as planilhas de quantitativos, elaboradas no momento da orçamentação do empreendimento.

6.2  OBRA A REALIZAR (OBRA NOVA)

         O orçamento inicial, possui as quantidades totais de serviços a realizar. Portanto se subtrairmos destes, as quantidades medidas, teremos como resultado, quais os serviços que faltam para a conclusão de obra. Estes podem ser reorçados a (Po) ou com preços atuais, gerando os custos para o término do empreendimento.

6.3  NOVO CRONOGRAMA

Indicamos quais as datas de início e fim dos serviços restantes, o que implicará na geração de um novo cronograma físico e de desembolso financeiro.

6.4  DADOS COMPARATIVOS

Com os dados obtidos, nos procedimentos anteriores, partimos para a análise propriamente dita. Torna-se importante, a totalização dos gastos efetivamente realizados, feita através de um software de contas a pagar ou pagas, para compará-los com o valor orçado correspondente à medição efetuada (retroanálise).

A checagem destes dados, mostra o histórico do empreendimento e define o ponto de partida para o replanejamento, oportunidade para as correções e alterações necessárias que permitem vislumbrar o resultado positivo.

750x376-nadeb-523127570f4ba4191840f0d1ecf8d590

Por fim, podemos concluir que os benefícios de se planejar são muitos, entre eles:

  • Diminuição dos custos, através da redução de gastos desnecessários, duração do projeto, qualidade superior;
  • Obtenção de rendimentos maiores a partir da possibilidade de ganho de margens adicionais;
  • Melhora de produtividade por meio da reutilização de atividades recorrentes em outros projetos e criação de templates.

 

Autor: Laio Guimarães

Fonte : Comunidade da Construção

 

 

 

 

 

 

 

 

Para enfrentar a crise, construtoras do segmento de habitação popular otimizam a produtividade dos sistemas construtivos

i521837

As empresas do segmento de habitação de interesse social (HIS) têm ajustado seus processos de engenharia à nova realidade do mercado – que enfrenta um declive acentuado após o forte crescimento dos últimos anos. Os avanços tecnológicos que foram incorporados ao know-how das construtoras nem sempre poderão ser mantidos, mas a busca por uma produtividade ampliada deverá nortear a atuação das empresas que quiserem sobreviver à crise econômica. ‘A industrialização é a soma de três aspectos: pré-fabricação, mecanização e organização do trabalho. Se houver retrocesso na organização do trabalho e na mecanização, haverá comprometimento da produtividade – e, com custos altos, você não tem lugar no mercado de HIS’, alerta Ubiraci Espinelli Lemes de Souza, professor da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) e diretor da Produtime Gestão e Tecnologia.

Para o professor Carlos Formoso, coordenador do Grupo de Gestão e Economia da Construção do Núcleo Orientado para a Inovação da Edificação (Norie), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), é comum que as construtoras invistam em equipamentos e sistemas inovadores, mas não necessariamente atentem para o planejamento da produção e do canteiro, considerando elementos como a confiabilidade na entrega de suprimentos, por exemplo. ‘Os empreendimentos notáveis por sua industrialização não utilizam apenas pré-fabricação, por exemplo. São a soma de uma série de aspectos, que incluem até mesmo a melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores’, argumenta.

projeto1

As dificuldades geradas pela crise não devem ser motivo para interromper a procura por desenvolvimento tecnológico e administrativo no segmento de HIS, em que as margens estreitas exigem produtividade superior. ‘O caminho das empresas inteligentes nesse momento é o investimento para melhorar tecnologia e gestão, preparando-se para a retomada do mercado – que, não demora muito, deve acontecer’, aconselha Espinelli.

Fonte:

Téchne

LEDs que Monitoram Estruturas

A On-Site Visualization Consortium tem  desenvolvido uma tecnologia de sensores emissores de luz que mudam de cor instantaneamente após a detecção de qualquer deformação ou inclinação encontrada em infra-estruturas. O desejo da empresa é contribuir para a melhoria do ambiente seguro, protegido, e agradável de nossa vida diária e nos locais de trabalho através da criação de sistemas de processamento de dados em tempo real e visualização chamado de “Visualization On-Site” através de esforços colaborativos por parte da indústria, do governo e da academia .

ledtechnolog

Estamos diante de uma grande variedade de ameaças à nossa segurança física que são naturais, de força maior, e / ou inadvertida. As pessoas ficam feridas ou perdem suas preciosas vidas em desastres de deslizamento de terra devido à chuva torrencial ou tufões, os acidentes em locais de construção, acidentes de parques de diversões em larga escala como montanhas-russas devido à manutenção inadequada, acidentes devido à falta de força de edifícios e estruturas, e do colapso de casas por motivo de força maior, como carga de neve e inundações. A fim de que nós possamos detectar tais fatores de riscos prontamente e notificá-los à população da área a ser atingida, é preciso instalar vários sensores, para processar sinais de riscos do sensores imediatamente, e para comunicar as mensagens resultantes em formas fáceis de entender. No entanto, os sensores convencionais disponíveis tendem a ser muito caros, e é impossível controlar todos os fatores de risco em cada local. Metodologia nova e não convencional é necessário para perceber  o ambiente de vida seguro ao mesmo tempo garantir a segurança de nós mesmos a baixo custo.

Para atingir este objetivo, a OSV  desenvolveu uma variedade de novos sensores. Eles podem ser instalados em qualquer local, detectar alterações de quaisquer dados (por exemplo, deformação, tensão, pressão, temperatura e umidade), exibir as mudanças e sua magnitude com LEDs de diferentes cores e tonalidades. Trabalhadores no local, bem como as pessoas do bairro podem, desta forma, confirmar visualmente as alterações em tempo real. Isto permite a construção de sistemas totalmente novos para a prevenção de desastres de segurança de monitoramento que não são convencionais em muitos aspectos. Convencionalmente, o que os sensores detectam são verificados em PCs ou através de outro meio em locais remotos.

Essa metodologia tem um potencial de realizar uma totalmente nova informação de aquisição / sistema de divulgação que podemos chamar de “On-Site Visualization” do sistema. A metodologia de detectar mudanças ao nosso redor e visualizar as mudanças na estrutura alterando as cores da luz no local pode ser aplicada não apenas às medidas de prevenção de desastres, mas também para o monitoramento regular da segurança de qualquer estrutura que se relaciona com a nossa vida (estruturas civis, edifícios, maquinaria pesada, veículos de diversão de grande escala, etc.). Além disso, as cores de luz podem ser alteradas em resposta ao movimento das estruturas arbitrárias; de modo que esta metodologia pode tornar a educação escolar em mecânica simples mais agradável e também pode levar a criação de uma nova ferramenta de entretenimento.

Assim, o novo conceito subjacente a este novo método de monitorização através de sensores de emissão de luz pode ser aplicada a todos os programas de monitoramento de segurança que vão desde a prevenção de desastres naturais para promoção / ambiente de vida seguro e protegido. Um totalmente novo e não convencional sistema pode ser estruturado utilizando a visualização em tempo real de informações monitorizadas por meio da alteração de cores claras. Assim, há um grande potencial para a aplicação deste conceito no Japão e em outros países.

 

Fonte(s):

www.osv.sakura.ne.jp

Como aproveitar a crise e se destacar no mercado de trabalho

received_887659471339207

A palavra crise chegou ao português no século XVIII, a princípio no vocabulário da medicina, para designar o momento na evolução de uma doença em que ela se define entre o agravamento – e a morte – ou a cura – e a vida. O vocábulo vinha do latim crisis, “momento decisivo”, decalque do grego krísis, “decisão”, que Hipócrates, chamado de “pai da medicina”, já empregava com esse sentido. (A ideia de decisão, de separar o bom do ruim, explica que o crítico de arte seja chamado assim). Mas a verdade é que às vezes, crise significa crise mesmo, em português bem claro: diminuição de negócios, menor fluxo de dinheiro, menos encomendas e mais angústia em relação ao futuro.

É por isso que a crise é um momento muito delicado, principalmente no mercado profissional. É nesse momento que as empresas são provadas e que somente as melhores e mais organizadas sobrevivem. As próprias empresas tem que tomar decisões a cerca de melhores investimentos a serem feitos e também buscar os melhores profissionais para que estas possam alcançar um patamar competitivo e resistir às dificuldades do mercado.

received_887659594672528

Nesse contexto, os engenheiros civis devem buscar aprimorar suas competências para se tornarem competitivos diante de uma concorrência mais dura e qualificada. As próprias empresas também buscam qualificar seus quadros funcionais com o intuito de aperfeiçoar os seus procedimentos.

Para esta situação, o Professor Silvio Aparecido dos Santos, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), afirmou que “se você não continuar investindo não estará preparado para o próximo momento de reação”. E ainda afirma que “se o foco estiver realmente apenas em corte de investimento, enxugar totalmente os custos, não há como deixar a equipe pronta para o momento da arrancada.” Coordenador do GPEADE (Grupo de Pesquisa em Administração Avançada e Empreendedorismo), Santos diz que a crise afeta de modo diferente os profissionais cujo trabalho está inserido em negócios em fases distintas de estruturação empresarial.

received_887659618005859

Buscamos alguns sites e plataformas que podem contribuir com o crescimento pessoal e profissional do engenheiro civil e dos estudantes de engenharia. Seguem abaixo algumas de nossas dicas:

1 – FGV Online
A Fundação Getulio Vargas é a primeira instituição brasileira a ser membro do OpenCourseWare Consortium – OCWC –, um consórcio de instituições de ensino de diversos países que oferecem conteúdos e materiais didáticos sem custo, pela internet.

2 – Fundação Bradesco
Escol@ Virtual é um portal de e-Learning dedicado a oferecer cursos a distância – via Internet e semipresenciais.

3 – SESI
O portal do Sesi Paraná disponibiliza grande quantidade de cursos online gratuito.

4 – SENAI
O SENAI oferece cursos gratuitos a distância sobre temas transversais que desenvolvem capacidades para a iniciação no mundo do trabalho ou, no caso de quem já está trabalhando, para a atualização das competências profissionais.

5 – Rede SENAI
Confira os treinamentos disponibilizados pelo Núcleo de Educação a Distância por modalidade de ensino.

6 – SEBRAE
São mais de 30 cursos gratuitos com tutoria.

7 – CIEE
São mais de 35 cursos online grátis. Para acessar os cursos é preciso se cadastrar.

8 – SENAC
O PSG oferece, vagas gratuitas em cursos de Formação Inicial e Continuada.

9 – Prime Cursos
Empresa especializada em ensino a distância. A escola se transformou rapidamente em uma referência no Mercado Virtual graças ao seu pioneirismo no desenvolvimento de cursos e-learning.

10 – Cursos Online SP
Oferece mais de 150 Cursos Livres de Qualificação Profissional Gratuitos e de alta qualidade.

11 – Learncafe
Inovador portal de ensino à distância, que visa conectar alunos e professores em um único ambiente de ensino.

12 – Veduca
Empresa cujo propósito é levar o ensino superior de alta qualidade a qualquer pessoa que se disponha a aprender.

13 – Buzzero
Portal de ensino a distância que possibilita qualquer pessoa aprender e ensinar.

14 – Iped
A empresa tem a missão de promover a educação de maneira democrática levando ao mercado mais de 500 opções de cursos, em 30 áreas do conhecimento.

15 – Intel
Next Generation Center é um site onde você pode encontrar os cursos online grátis com certificado oferecidos pela Intel.

16 – Senar
Intuito de contribuição com a formação e a profissionalização das pessoas do meio rural e consequentemente aumentar a rentabilidade dos seus negócios e garantir a sustentabilidade do meio ambiente.

17 – Hospital Albert Einstein
São mais de 80 cursos online totalmente gratuitos oferecidos por um dos melhores hospitais do país.

18– BMF&Bovespa
Site de capacitação, a formação e a especialização de profissionais do mercado financeiro que trabalham em corretoras, em bancos, fundos de
investimento e em empresas.

19 – Senado Federal
Site de cursos para servidores do legislativo e população em geral. Seus cursos, materiais didáticos e conteúdos especiais já podem chegar a todos os municípios brasileiros.

 

*Você também pode fazer cursos rápidos não gratuitos que entregam certificado na sua casa

 

Aproveite bem as dicas e estabeleça seu diferencial. Oportunidades irão aparecer, porém só quem estiver realmente preparado é que vai conquistá-las. Por isso busque estar sempre à frente e preparado.

received_887659598005861

 

Autor: Geovane Alves

Fontes:

Crise: perigo, oportunidade e… papo furado (Revista Veja)

http://veja.abril.com.br/blog/sobre-palavras/lendo-a-lenda/crise-perigo-oportunidade-e-papo-furado/

 

Para crescer na crise (Revista aU – Pini)

http://au.pini.com.br/arquitetura-urbanismo/184/para-crescer-na-crise-142820-1.aspx

 

23 sites que oferecem cursos online gratuitos com certificado (Loucos por Engenharia)

23 sites que oferecem cursos online gratuitos com certificado

 

 

Holedeck: sistema de laje inovador que economiza 55% mais concreto que o tradicional

530b963c

Já ouviu falar no Holedeck? Que tal optar por algo além do tradicional? Todo engenheiro sabe que escolher os melhores materiais é primordial na hora de construir. Qualquer problema sério é inadmissível em um projeto, que deve ser seguro do início ao fim – além de durar muito tempo.

Mas será que dá para economizar com opções resistentes e duráveis, tão eficientes quanto o tradicional? Com certeza! É o caso do Holedeck, um sistema de laje inovador que gasta 55% menos de concreto que aquele usado há tempos nas construções. Incrível, não é?

holedeck-blog-da-engenharia-768x415

Como funciona o Holedeck?

O Holedeck é um sistema de lajes grelhadas e finas criado pelo empresário espanhol Alberto Alarcón. Com duas espessuras diferentes de telhas – 300 e 450 milímetros -, é bem completo e acomoda sistema de iluminação, dutos e outros equipamentos mecânicos em torno de sua estrutura.

Segundo o responsável, ele usa uma forma inovadora que pode ser considerada essencialmente uma atualização do tradicional sistema de grade, ou seja, uma ideia de otimizar e gastar menos nas construções. Seu formato modular permite a criação de aberturas no topo da laje, fazendo com que os sistemas mecânicos sejam ligados verticalmente e favorecendo ainda o desempenho acústico do ambiente.

sistema-de-laje-holedeck-768x432

Considerado sustentável e menos agressivo, é ideal para edifícios altos. Mas sua característica principal é o fato de gastar menos da metade do que um sistema tradicional: até 55% de economia, segundo testes realizados pela empresa de Alarcón. Além disso, o sistema tem uma manutenção mais fácil, com limpeza frequente e mais eficaz – um problema do método antigo.

Os resultados são tão impressionantes que o projeto foi até premiado no CTBU 2015 na categoria Inovação. De acordo com especialistas, o Holedeck deverá ser visto nas construções por aqui em breve. É bacana quando as pessoas encontram alternativas incríveis e satisfatórias para melhorar os projetos, não é?

holedeck-sistema-de-lajes-768x473

 

Fonte:

Blog da Engenharia